Informações sobre os protocolos sanitários adotados pelos principais fornecedores do setor de turismo e políticas de restrições do países durante a pandemia.

PROTOCOLOS SANITÁRIOS AEROPORTOS NACIONAIS

AEROPORTO DE BRASÍLIA
Ações do Aeroporto

  • Intensificação na fiscalização dos voos
    • A ANVISA vem acompanhando constantemente todos os embarques e desembarques de voos domésticos no Aeroporto de Brasília.
  • Operação remota
    • Quando é realizado o embarque e/ou desembarque remoto, com ônibus, ocorre uma diminuição da capacidade dos veículos para manter o distanciamento social.
    • Cumprimento de todas às determinações e orientações do Ministério da Saúde e ANVISA.
  • Posto Médico
    • Posto Médico realiza triagem do passageiro que apresenta sinais e sintomas do Covid-19, encaminhando a rede hospitalar apenas quando há necessidade de auxílio específico.
  • Mídias Sociais
    • Utilização das mídias sociais da INFRAMERICA para repasse de informação e/ou orientação ao passageiro sobre o Covid-19.
  • Site e HotSite
    • Informações e notícias atualizadas constantemente no site do aeroporto. Foi criado um hotsite com informações sobre a situação do aeroporto durante a pandemia.
  • Medições de temperatura
    • Em parceria com a Inframerica, o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal realiza aferição da temperatura corporal dos passageiros que desembarcam no terminal. A medição é feita pela equipe dos bombeiros.
    • Os passageiros que embarcarem em voos domésticos terão a temperatura da pele medida pela solução termográfica da Hikvision. Com capacidade de processar as informações de 30 passageiros ao mesmo tempo, o sistema também detecta a utilização de máscaras.

O que acontece se o passageiro apresentar temperatura com mais de 37°?
Tanto os bombeiros civis da Inframerica que atuarão no embarque doméstico quanto os Bombeiros militares do Distrito Federal estão fazendo o monitoramento dos usuários. A pessoa cuja temperatura tenha sido
identificada pelos equipamentos como acima do normal (acima de 37o), será submetida a uma nova checagem com um termômetro clínico. Caso seja comprovada a temperatura elevada, ela receberá, como precaução, luvas e máscaras descartáveis, e será recomendado que se dirija ao Posto Médico do terminal aéreo. Caso seja necessário, o passageiro será encaminhado a um hospital de referência do Distrito Federal para a realização de exames.

O Aeroporto de Brasília conta com serviço de Posto Médico 24h, com profissionais altamente qualificado para garantir à tripulantes e passageiros, atendimento médico emergencial sempre que necessário. A Inframerica
desenvolveu um protocolo em conjunto com a Anvisa para casos de passageiros com suspeita da Covid-19. Em parceria com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal e do Corpo de Bombeiros Militar, o paciente é encaminhado a um hospital de referência da cidade para a realização de exames.

· Desinfecção dos terminais
O Aeroporto de Brasília passou por uma desinfecção no dia 14 de abril. A operação foi realizada pelo Comando Conjunto Planalto formado por unidades da Marinha do Brasil, Exército Brasileiro e Força Aérea
Brasileira, que contou com o apoio da equipe da Inframerica. A ação vem se somar a diversas medidas já tomadas pela concessionária que tem como objetivo evitar a propagação do Coronavírus na capital federal.

Um grupo de 20 militares participou da ação e treinou a equipe da Inframerica composta por 16 bombeiros civis de aeródromo e seis funcionários da empresa de limpeza. Com o curso, os profissionais colocarão em prática mais este procedimento de descontaminação na rotina diária de limpeza da infraestrutura aeroportuária.

 

· Cuidados e Proteção

Máscaras de proteção
A Inframerica distribuiu para os seus funcionários um Kit-Prevenção composto por duas máscaras faciais de pano, um frasco de álcool gel. A concessionária escolheu uma microempreendedora local para a confecção que
foram produzidas seguindo os critérios estabelecidos pela Anvisa. As máscaras receberam um toque especial, foram bordadas com um aviãozinho para remeter à identidade aeroportuária. Estes acessórios passam a ser os novos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) do Aeroporto de Brasília que deverão ser utilizados por todos os funcionários da Inframerica. Com estes novos hábitos, trabalharemos com mais segurança. A Inframerica recomenda para todas as empresas parceiras e terceirizadas a cobrarem dos seus empregados o uso constante de máscaras.

· Produtos Hospitalares
A empresa responsável pela limpeza do terminal está utilizado produtos de descontaminação hospitalar para potencializar a ação desinfetante.

· Reforço na limpeza
Foi reforçada a limpeza de corrimãos, elevadores, balcões de check in, mesas e cadeiras das praças de alimentação, fechaduras e maçanetas de portas e de todas as outras áreas com circulação de pessoas. Os robôs do
aeroporto, Papa Poeira e Papa Sujeira, reforçam a limpeza no terminal.

São realizadas rondas periódicas por todos os banheiros do terminal para garantir a disponibilidade dos itens de higiene. Há informativos em todos os banheiros estimulando a lavar as mãos frequentemente.
Limpeza e higienização constante dos carpetes das salas de embarque e áreas administrativas.

· Distanciamento
Há distanciamento de mesas nas praças de alimentação. Há também o distanciamento nos elevadores, na entrada de todos os elevadores do terminal é possível encontrar um comunicado alertando para o limite de ocupação máxima de 3 pessoas nos elevadores.

Em locais de aglomeração de pessoas como filas de check-in, inspeção do raio-x, dos portões de embarque, foram instalados adesivos no chão alertando sobre a necessidade de manter o distanciamento de 2 metros entre
pessoas. Além disso, há também o distanciamento das longarinas das salas de embarque.

Foram instalados adesivos de chão recomendando o distanciamento nas escadas rolantes.

· Telas informativas
Vídeos informativos estão rodando continuamente nos monitores dos portões de embarque.

Avisos sonoros produzidos pela Anvisa estão sendo divulgados no sistema de som do Aeroporto de 30 em 30 minutos. Avisos sonoros produzidos pela Inframerica estão sendo divulgados no sistema de som do Aeroporto
de 60 em 60 minutos.

Comunicados nos monitores lembrando da obrigatoriedade do uso de máscaras estão sendo divulgados em todo o terminal.

· Barreiras Balcões de Check-in
Foram instaladas placas de acrílico para separação entre passageiro e atendente desenvolvida para os balcões de check-in que estão em uso (12 balcões).

A instalação das barreiras foi feita de forma alternada para respeitar o distanciamento entre os colabores das companhias aéreas.

· Comitê de acompanhamento
Criação de um comitê periódico para acompanhamento da pandemia em conjunto com as companhias aéreas e órgãos públicos.

 

AEROPORTO INTERNACIONAL DE GUARULHOS

Ações/Iniciativas do Aeroporto, que visa a redução de riscos e restauração da confiança.

  • Campanhas de áudio: informar todas as pessoas sobre o COVID-19 e orientar de acordo com a Saúde e Segurança.
  • Informação visual: detalhando todas as informações sobre a pandemia e todos os movimentos do aeroporto para cuidar sobre pessoas. Além de orientar a utilização do PPI.
  • Comunicação com as partes interessadas de todas as novas campanhas ou medidas tomadas pelo aeroporto.
  • Desinfecção de nossas instalações terminais.
  • Maior frequência de limpeza de todos os pontos de contato.
  • Aquisição de novas ferramentas e equipamentos de limpeza para desinfecção.
  • Instalação de vários recipientes de desinfetante para as mãos.
  • Distanciamento social nas filas de check-in.
  • Painéis de separação nos balcões de check-in.
  • Distanciamento social nas filas de emigração e imigração.
  • Distanciamento social em espaços compartilhados.
  • Distanciamento social em carrosséis de bagagem.
  • Separação de mesas em restaurantes.
  • Distanciamento social em lugares comuns.
  • Suspensão do serviço de buffet em restaurantes.
  • Comunicação visual incentivando a distância social em todo o aeroporto.
  • Triagem de temperatura.
  • Vacinas contra gripe para todos os funcionários da GRU.
  • Uso obrigatório de máscara para a equipe operacional.
  • Distribuição de máscaras para todo o pessoal da GRU.
  • Home Office.
  • Reuniões online.
  • Comunicação frequente com a equipe.
  • Planejamento de novas capacidades com distâncias sociais.
  • Desinfecção de passagem.
  • Documento de viagem eletrônico de saúde.
  • Implantação de PTS e mapas de calor para identificar multidões.

 

AEROPORTO INTERNACIONAL TOM JOBIM

O RIOgaleão está colocando em prática uma série de medidas para garantir a segurança de passageiros e da comunidade aeroportuária, na fase de retomada das operações aéreas domésticas e internacionais no Brasil.

O aeroporto está trabalhando em conjunto com a ANAC e ANVISA para a adoção dos protocolos obrigatórios no que tange a segurança das operações aeroportuárias durante toda a jornada do passageiro.
Lembramos que a amplitude do Aeroporto Internacional Tom Jobim é um de seus diferenciais positivos na garantia do distanciamento social. Além disso, a concessionária desenvolveu uma campanha de conscientização para passageiros e funcionários sobre a importância das medidas de combate ao COVID-19.

Este material apresenta os quatro pilares contidos no protocolo adotado pelo RIOgaleão: Desinfecção do terminal, Distanciamento social, Equipamentos de proteção individual e Serviços, varejo e alimentação.

  • Desinfecção do terminal
    • Limpeza e desinfecção das áreas públicas e restritas do aeroporto com maior constância.
    • Atualização dos protocolos de higienização, adotando produtos hospitalares nos procedimentos de limpeza, que prolongam o tempo de esterilização das superfícies para mais de 24 horas de proteção.
    • Aplicação diária de spray com produtos de desinfecção em todas as áreas comuns do aeroporto.
    • Oferecimento de toalhas de papel higienizadoras para que os passageiros apliquem nos carrinhos de transporte de bagagem que forem utilizar.
  • Distanciamento social
    • Sinalização indicativa de distância segura no terminal de passageiros para filas e assentos.
    • Instalação de painéis acrílicos para proteção de funcionários e passageiros nos balcões de atendimento e check-in
    • Ferramenta de mapeamento de calor dentro do terminal, que permite o deslocamento de equipe para os locais com indicação de aglomeração.
    • Rondas periódicas para organização de filas pela equipe de agentes de terminal, responsável também por desfazer aglomerações.
    • A segurança do aeroporto poderá ser acionada caso o passageiro se mostre resistente a seguir o distanciamento social.
  • Equipamento de proteção individual
    • Uso de máscaras obrigatório no aeroporto e aeronave, de acordo com os órgãos federais de regulação. O passageiro deverá portar consigo o número de máscaras necessárias de acordo com a duração de sua viagem.
    • Uso de luvas por profissionais que fazem manipulação de produtos de acordo com recomendação da ANAC.
    • Treinamento para utilização, troca e descarte correto das luvas para funcionários que se enquadrem nessa orientação.
  • Serviços, varejos e alimentação.
    • Instalação de placas de acrílico nos caixas de pagamento.
    • Disponibilização de dispenser de álcool em gel em pontos estratégicos.
    • Marcação de distanciamento de dois metros nos espaços reservados para filas, para evitar aglomerações.
    • Distanciamento de dois metros de mesas e cadeiras.
    • Promoção de treinamentos, workshops, lives, consultoria e outros conteúdos diversos para lojistas com time de especialistas em temas como gestão financeira, facilitação de crédito, encadeamento produtivo,
      oportunidades, entre outros.
    • Recomendação de reforço nos protocolos de limpeza dos estabelecimentos comerciais e de utilização de máscaras do tipo face shield.

 

AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR

O Salvador Bahia Airoport é uma importante porta de entrada para a Bahia, movimentando cerca de 8 milhões de passageiros ao ano.

O principal compromisso do Aeroporto é com a segurança dos passageiros e funcionários. Por isso, desde o início da pandemia no Brasil, foram adotadas ações preventivas. Foi desenvolvido um Plano Especial de
Contingência, além da promoção de treinamentos para os trabalhadores do Aeroporto. Também foi disponibilizado álcool em gel em vários pontos do terminal, foi intensificada a higienização das áreas de uso comum, entre outras medidas.

Durante o período da pandemia, foi mantida as operações e readequada a infraestrutura do Aeroporto ao novo cenário de restrição de voos e à necessidade de intensificação de cuidados sanitários.

  • Ações para o enfrentamento do Covid-19
    • 27/01 – Instalação de dispensers de álcool em gel no terminal de passageiros. Intensificação da limpeza em áreas comuns e a divulgação de material de comunicação sobre prevenção.
    • 10/02 – Apresentação do Plano Especial de Contingência à comunidade aeroportuária.
    • 18/03 – Primeiros indicativos de transmissão comunitária no Brasil. Aproximadamente 50% da equipe da Concessionária do Aeroporto de Salvador inicia atividades em home office.
    • 01/04 – Migração de processamento de chek-in e despacho das bagagens para o piso térreo.
    • 01/06 – Apresentação dos estudos com cenários de retomada gradual das operações regulares.

 

  • Ações preventivas e de controle
    • Desenvolvimento de um Plano Especial de Contingência (PEC) em conjunto com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), constando procedimentos em caso de identificação de passageiros com sintomas da COVID-19.
    • Apresentação do PEC à comunidade aeroportuária e aplicação de treinamentos quanto aos procedimentos de prevenção, identificação, isolamento e encaminhamento de caso suspeito para rede médico-hospitalar de referência.
    • O Aeroporto possui um Posto de Atendimento Pré-Hospitalar 24 horas preparado para atender emergências de Saúde e fazer os encaminhamentos necessários.
    • Apoio à Anvisa e Secretaria Municipal de Saúde para vacinação da comunidade aeroportuária (Influeza Trivalente e Sarampo).
    • Obrigatoriedade do uso de máscara por funcionários e aplicação de formulário de autoavaliação diária de saúde para aqueles precisam realizar suas atividades no Aeroporto.

 

  • Limpeza e desinfecção
    • Intensificação da rotina de higienização de longarinas, divisores de fluxo, balcões, corrimãos, carrinhos de bagagem, bandejas nos canais de inspeção e equipamentos em geral.
    • Disponibilização de dispensers de álcool em gel nos locais de fluxo de passageiros e da comunidade aeroportuária.
    • Pulverização de solução de hipoclorito nas áreas externas do aeroporto.
    • Adoção de rotina de limpeza e desinfecção dos ônibus após operação remota, além de redução dos números de passageiros para 50% da capacidade dos veículos.

 

  • Distanciamento físico
    • Instalação de monitores na entrada dos sanitários informando, em tempo real, a ocupação do local. A tecnologia foi desenvolvida para auxiliar o passageiro a manter o distanciamento, evitando acessar ambientes com alta ocupação de pessoas.
    • Orientação de distanciamento em filas, elevadores e escadas rolantes.
    • Interdição de assentos e mesas no terminal.
    • Instalação de divisores de acrílico nos check-ins.
    • Adoção do regime home office para funcionários.
    • Suspensão de eventos e ações promocionais no Aeroporto.

 

  • Comunicação e prevenção
    • Divulgação de material informativo sobre prevenção nos banheiros, bebedouros e ao lado de dispensers de álcool em gel.
    • Demarcação de piso para orientação dos passageiros quanto às regras de distanciamento.
    • Orientações para uso de elevadores e escadas rolantes, respeitando medidas de distanciamento.
    • Avisos sonoros sobre prevenção aos passageiros.
    • Veiculação de material informativo nas telas eletrônicas do terminal.
    • Comunicação nas redes sociais: criação do Boletim COVID-19, publicado em destaque nas redes sociais para atualizar os passageiros em relação às mudanças na rotina do Aeroporto em decorrência da pandemia e recomendações de segurança. Além da interação constante com passageiros por estas redes para o esclarecimento de dúvidas.

 

  • Outras medidas
    • Videoconferências com subconcessionárias – lojas, cafeterias, restaurantes e lanchonetes e serviços – para reforçar a adequação de operações comerciais às orientações dos órgãos responsáveis, como OMS – Organização Mundial de Saúde, ANVISA e secretarias estaduais e municipais.
    • Compartilhamento de boas práticas com os operadores comerciais, tais como oferta de cardápio virtual, preferência por pagamento digital (cartão de aproximação, aplicativo, etc…).
    • Aumento do distanciamento entre mesas e cadeiras, controle de acesso para garantia do limite máximo de pessoas no ambiente, manutenção de sistema de climatização com filtros higienizados e renovação de ar com máxima capacidade, e adoção de serviço take out para estabelecimentos de alimentação.

 

  • Dicas para uma viagem tranquila e segura
    • Dê preferência ao check-in online.
    • Confirme o status do seu voo antes de sair de casa.
    • Se não for viajar, evite ir ao aeroporto acompanhar ou receber amigos e parentes.
    • Deve ir ao aeroporto apenas quem for efetivamente viajar.
    • Use máscara e higienize as mãos com frequência com água e sabão ou com álcool em gel disponível no terminal.
    • Respeite as sinalizações de distanciamento, os bloqueios de assentos e lotação máxima dos elevadores.
    • Não é necessário ficar na fila para embarcar, pois os assentos são marcados. Aguarde o chamado da companhia área próximo ao portão.
    • Dirija-se ao embarque o quanto antes para evitar filas e aglomerações no processo de inspeção.
    • Ao passar pelo canal de inspeção, mantenha celular, chaves, moedas, cintos e demais objetos de metal dentro das sacolas, bolsas ou mochilas. Isso agiliza a inspeção e evita que estes objetos entrem em contato com as bandejas.
    • Notebooks e líquidos devem ser retirados das sacolas e inspecionado separadamente na bagagem.
    • Ao desembarcar, apenas um passageiro por família deve se aproximar das esteiras para retiras as malas ou outros objetos.
    • Se precisa de carrinho de bagagem, utilize aqueles disponíveis nos bolsões, pois estão devidamente higienizados.

 

REFERÊNCIAS
http://www.abav.com.br/noticias/abav-informa—protocolos-sanitarios-covid-19

Protocolos BE SAFE

GTA – SANCOR SEGUROS

GTA

Para garantir maior proteção aos turistas em viagens nacionais e internacionais, a GTA passa a oferecer a cobertura médica para o COVID-19 em três versões: Basic, Plus e Premium.

  • Plano Internacional Basic: despesas médicas e hospitalares por Covid-19 diagnosticado durante a viagem.
  • Plano Internacional Plus: despesas médicas hospitalares por Covid-19 diagnosticado durante viagem; indenização por hospitalização devido diagnóstico de Covid-19 durante viagem (Hospital Cash).
  • Plano Internacional Premium: despesas médicas hospitalares por Covid-19 diagnosticado durante viagem; indenização por hospitalização devido diagnóstico de Covid-19 durante viagem (Hospital Cash); translado de Corpo devido a morte por Covid-19 durante viagem.
  • Plano Nacional – Covid-19 Basic: despesas médicas e hospitalares por Covid-19 diagnosticado em viagem.
  • Plano Nacional – Covid-19 Plus: despesas médicas hospitalares por Covid-19 diagnosticado em viagem; indenização por hospitalização devido diagnóstico de Covid-19 durante viagem (Hospital Cash).
  • Plano Nacional – Covid-19 Premium: despesas médicas hospitalares por Covid-19diagnosticado durante viagem; indenização por hospitalização devido diagnóstico de Covid-19 durante viagem (Hospital Cash); translado de Corpo devido a morte por Covid-19 durante viagem.

A indenização por hospitalização de Covid-19 durante a viagem (hospital cash) é um benefício para o turista cobrir perdas por ter sido internado com o Covid-19.

CANCELAMENTO DO SEGURO
Se o segurado estiver inadimplente, a sociedade seguradora poderá cancelar automaticamente o seguro, devendo o prazo de vigência da cobertura ser ajustado em função do prêmio efetivamente
pago.
Os Bilhetes de Seguro não poderão ser cancelados durante a vigência pela sociedade seguradora sob a alegação de alteração da natureza dos riscos.
O seguro só poderá ser rescindido mediante acordo entre as partes contratantes. No caso de resilição total ou parcial do seguro, a qualquer tempo, por iniciativa de quaisquer
das partes contratantes e com a concordância recíproca, deverão ser observadas as seguintes disposições:

  • Antes do início da viagem coberta: A Seguradora reterá, no máximo, os emolumentos.
  • Após o início da viagem coberta: A Seguradora reterá todo o prêmio, não cabendo neste caso qualquer tipo de devolução.

INTERMAC

INTERMAC

A Seguradora trabalha com cobertura do Covid-19 através de Up Grade em todos os planos solicitados, possuímos três modalidades de cobertura: TOP, PLUS e TOTAL

· COBERTURA TOP (Cobre DMH)

  • Despesas Médicas e Hospitalares por COVID-19, diagnosticado durante a viagem
  • Valores: 5.000,00 10.000,00 20.000,00 30.000,00

· COBERTURA PLUS (Cobre DMH e Indenização por hospitalização)

  • Despesas Médicas e Hospitalares por COVID-19, diagnosticado durante a viagem
  • Indenização por Hospitalização devido a diagnóstico de COVID-19 durante a viagem
  • Valores: 5.000,00 10.000,00 20.000,00 30.000,00
  • Carência: 2 dias
  • Período Máximo: 15 dias

· COBERTURA TOTAL (DMH, Indenização por hospitalização e Traslado de Corpo devido morte por Covid-19)

  • Despesas Médicas e Hospitalares por COVID-19, diagnosticado durante a viagem
  • Indenização por Hospitalização devido a diagnóstico de COVID-19 durante a viagem
  • Traslado de Corpo devido a morte por COVID-19 durante a viagem.
  • Valores: 5.000,00 10.000,00 20.000,00 30.000,00
  • Carência: 2 dias
  • Período Máximo: 15 dias

* DMH (DESPESAS MEDICAS E HOSPITALARES.

  • Este produto deve ser contratado em conjunto com um produto Intermac tradicional.
  • Os valores acima se referem ao montante na moeda do plano tradicional, se Europa em Euros, se Brasil em Reais, para o resto do mundo em dólares.
  • Não há desconto para grupos/família.
  • Não serão aceitas prorrogações ou vendas realizadas após o início da viagem.
  • Antecedência máxima de venda do produto: 90 dias antes da viagem.

IMPORTANTE: É de suma importância a leitura das condições gerais onde explicam cada cobertura contratada em seu seguro. Pensando nisto e para melhor atende-lo, disponibilizamos abaixo o link para acesso.

https://www.intermacseguros.com/cice/12/CG_Seguro_Viagem_Bilhete.PDF

POLÍTICA DE CANCELAMENTO
O voucher pode ser cancelado antes de iniciar o período de vigência do seguro sem custo, porém todas as solicitações após o início da vigência devem ser analisadas pela Seguradora CHUBB
que informará se poderá ser feito cancelamento ou se haverá custo.

ASSIST CARD

Devido à declaração da OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre a classificação do Coronavírus como uma pandemia global, a ASSIST CARD informa que vai seguir garantindo aos seus viajantes 100% das assistências médicas para casos e sintomas relacionados ao Covid-19.

Pensando ainda na tranquilidade dos passageiros, a ASSIST CARD, também oferece planos de assistência para viagens domésticas, que passam a cobrir passageiros a partir de 100 quilômetros de suas residências.

Procedimento para cancelamento de voucher Assist Card:
Procedimentos para cancelamento de vouchers que ainda não entraram em vigência:

  • A) Solicitações entrando por Lojas, Telemarketing, Aeroportos ou via Executivos devem ser enviadas para [email protected]
  • B) Solicitações que entrarem pelo atendimento corretora ou diretamente pelo e-mail [email protected] seguirão os seguintes procedimentos:
    • 1. Os vouchers serão automaticamente reemitidos para 01/03/2021, no mesmo produto e com a mesma quantidade de dias do voucher original, dando aos passageiros um ano de prazo para definirem a nova data de viagem.
    • 2. Uma vez emitidos, os novos vouchers serão enviados aos seus respectivos destinatários com a mensagem abaixo:

 

Prezado Sr (a). XXXXXXXX (Nome de quem enviou a mensagem)

Diante do crescimento de casos do COVID-19 ao redor do mundo, a quantidade de pedidos de cancelamentos e alterações de viagem vem crescendo de forma exponencial. Ao mesmo tempo em que estamos preocupados em poder atender nossos passageiros, também estamos seguindo as orientações das áreas de saúde e, como forma de contenção do vírus no Brasil, parte de nossa equipe estará trabalhando de forma remota, no modelo “home-office”, o que não nos permite a agilidade necessária para atender a esta sobrecarga de pedidos dentro do prazo que gostaríamos.

Diante deste quadro e para não gerar prejuízos a nenhum cliente, informamos que todos os vouchers que entram por este canal, com pedido de cancelamento ou alteração, se ainda não possuem a data correta da nova viagem, estão sendo automaticamente reemitidos para 01/03/2021 nas mesmas condições do voucher atual.

Desta forma, você passa a ter um ano para definir sua nova data de viagem. Tão logo você tenha as datas corretas, basta entrar em contato com a ASSIST CARD e reemitiremos seu voucher sem nenhum custo adicional.

E se, até 01/03/2021 você ainda não tiver uma data definida, poderemos proceder com o cancelamento e devolução do seu crédito ou ainda remarcar o voucher por mais um ano, até 01/03/2022 sem nenhum tipo de prejuízo financeiro. Com esta medida você passa a ter um crédito de até 02 (dois) para usar os nossos serviços.

Entendemos que este momento é temporário e, tão logo tudo volte ao normal, você poderá programar seu próximo destino e viajar tranquilo com ASSIST CARD.

ITA

Todos os planos internacionais comercializados pelo Ita Seguro Viagem cobrem, na forma prevista nas condições gerais e limitada ao valor do capital segurado, atendimento médico/hospitalar emergencial.

O viajante que apresentar sintomas relacionados ao Coronavírus durante a viagem, deverá entrar em contato com a Central de Atendimento 24 da Seguradora, por telefone ou WhatsApp, solicitando atendimento.

Caso confirmado o diagnóstico de Coronavírus, o viajante receberá os cuidados médicos de acordo com protocolos internacionais e regras de saúde do local de destino.

TRAVEL ACE

TRAVEL ACE

Segue as três coberturas referente ao COVID:

Lembrando que estas coberturas estão disponíveis apenas no FOLHETO a partir do produto VALUE.

  • Despesas Médicas e/ou hospitalares por Covid-19.
  • Indenização por Hospitalização devido diagnóstico de COVID durante a viagem.
  • Translado de Corpo devido a morte por COVID durante a viagem.

Referente ao cancelamento, as solicitações de remarcação/cancelamento devem ser enviadas antes do voucher iniciar a vigência.

No momento a política adotada em todo setor de turismo é pelo adiamento das viagens, ao invés de cancelamento. Disponibilizaremos um crédito (com número de carrinho)para o passageiro,
onde o mesmo poderá remarcar o seguro viagem (mesmo produto e mesma quantidade de dias) para a próxima viagem.

Este crédito ficará disponível para utilização pelo prazo de até 30 meses a contar da data do cancelamento.

A Travel Ace atua como prestadora de serviços de assistência ao viajante, se enquadrando a MP 948 na categoria de serviços. A MP 948 é uma medida provisória divulgada pelo Governo Federal
para o setor do Turismo, durante o período da Pandemia/Calamidade.

Ao optar pelo reembolso, seguimos com a MP mantendo o crédito para o cliente, caso não seja utilizado no período de 12 meses e após o encerramento do estado de calamidade o reembolso poderá ser realizado.

Veja abaixo o Controle de Fronteiras

Controle de Fronteiras

Documentos necessários

Viagem doméstica

Em viagens nacionais ou para países do Mercosul (Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela), é obrigatória a apresentação de documento original com foto no ato do check-in nos embarques domésticos. Porém, não precisa necessariamente ser o Passaporte.

Atente para os documentos que podem ser utilizados, dependendo do tipo de passageiro:

Maiores de 18 anos: documento de RG em boas condições e com menos de 10 anos de emissão, carteira funcional com foto (como OAB, CRM, CREA, etc.). A Carteira de Motorista não é aceita para voos fora do Brasil.

Menores de 18 anos acompanhados dos pais: documento de RG em boas condições e com menos de 10 anos de emissão.

Viagem internacional

Para embarcar na maioria dos voos internacionais, é necessário ter passaporte. Porém, se o país de destino é membro do Mercosul ou tem acordo de viagem com o
Brasil (Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Venezuela e Bolívia), os documentos abaixo também podem ser utilizados: carteira de Identidade (RG); registro de Identidade Civil (RIC); cédula de Identidade de Estrangeiro expedida pela Polícia Federal (RNE).

Maiores de 18 anos: Passaporte com validade mínima de seis meses (ou conforme exigência do país visitado) ou documento de RG original em bom estado e com
emissão há menos de 10 anos.

Menores de 18 anos: passaporte ou documento de RG (certidão de nascimento não é aceita).

Lembre-se que passaportes corrompidos ou inválidos não podem ser documentos usados para cruzar a fronteira em nenhum caso. As autoridades recusarão a entrada do passageiro a bordo da aeronave, sem direito a reembolso.

Menores de 18 anos desacompanhados dos pais

Para voos nacionais, se a criança for viajar com os pais ou parentes até terceiro grau, é necessária a apresentação de RG ou Certidão de Nascimento, original ou cópia autenticada, assim como os documentos dos responsáveis comprovando parentesco ou autorização dos pais em duas vias autenticadas, expressando o período da viagem.

Para voos internacionais, o RG ou Certidão de Nascimento deve ser original. Em caso de viagem com apenas um dos pais ou com parentes, é exigida uma autorização assinada e autenticada em cartório dos pais faltantes, em duas vias. Os documentos são válidos pelo período determinado na autorização.

Visto

A emissão de vistos de entrada é de exclusiva competência e soberania de cada nação. Todo país utiliza diferentes critérios e exigências para a entrada e permanência de estrangeiros em seus territórios, não cabendo interferência de autoridades estrangeiras nessa questão. Cabe lembrar que os requisitos exigidos podem variar a depender do objetivo da viagem.

Portadores do passaporte brasileiro estão isentos de visto para viajar a turismo amais de 150 países do mundo. Isso não significa, no entanto, que não devem ser cumpridos requisitos para entrada em outros países. Certificados de hospedagem, comprovantes do objetivo da viagem, cartas-convite e bilhetes de retorno ao Brasil podem ser (e frequentemente são) exigidos pelas autoridades estrangeiras para entrada em outros países. Informe-se cuidadosamente, antes de viajar, da documentação necessária para entrada no destino escolhido. Ao chegar ao país, apresente todos os documentos às autoridades de fronteira.

Além do destino escolhido para a viagem, é necessário observar, ainda, a eventual exigência de visto em países de trânsito. Ainda que o destino final não exija visto de cidadãos brasileiros, é possível que o país de trânsito, se houver, solicite algum tipo especial de visto. Informe-se com antecedência dessa necessidade.

A lista a seguir contém informações sobre países e eventual necessidade de visto de turismo ou de negócios para cidadãos brasileiros que possuem passaporte comum. Requisitos para cidadãos brasileiros com passaporte diplomático ou oficial podem variar.

Cabe ressaltar, ainda, que a lista é meramente indicativa, uma vez que dados sobre vistos e entrada em outros países é matéria de decisão soberana dos Estados e pode
mudar a qualquer momento, sem nenhum tipo de aviso prévio. Portanto, para uma informação definitiva sobre eventual necessidade de visto para entrada em territórios estrangeiros, recomenda-se contato direto com a Representação diplomática do país em questão.

  •  Afeganistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  •  África do Sul: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Albânia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Alemanha: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Andorra: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Angola: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Antígua e Barbuda: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 180 dias.
  • Arábia Saudita: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Argélia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Argentina: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Armênia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Austrália: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Áustria: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Azerbaijão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Bahamas: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Bangladesh: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Barbados: Dispensa do visto de turismo por até 180 dias. Exige visto de negócios.
  • Bareine: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Belarus: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Bélgica: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Belize: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Benin: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Bolívia: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Bósnia e Herzegovina: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Botsuana: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Brunei: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Bulgária: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Burkina Faso: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Burundi: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Butão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Cabo Verde: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Camarões: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Camboja: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Canadá: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Catar: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Cazaquistão: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 30 dias.
  • Chade: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Chile: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • China: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Chipre: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Cingapura: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 30 dias.
  • Colômbia: dispensa de visto de turismo, por até 180 dias e de negócios por até 90 dias.
  • Comores: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Congo, República Democrática (ex-Zaire): exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Cook Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Coréia do Norte: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Coréia do Sul: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Costa do Marfim: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Costa Rica: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Croácia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Cuba: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Dinamarca: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Djibuti: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Dominica: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Egito: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • El Salvador: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Emirados Árabes: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Equador: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Eritréia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Eslováquia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Eslovênia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Espanha: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Estados Unidos: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Estônia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Eswatini: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Etiópia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Fiji, Ilhas: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios
  • Filipinas: dispensa de visto de turismo e negócios por até 59 dias.
  • Finlândia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • França: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Gabão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Gâmbia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Gana: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Geórgia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Dispensa de visto de negócios por até 1 ano.
  • Granada: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Grécia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Guatemala: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios
  • Guiana: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Guiana Francesa: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Guiné: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Guiné-Bissau: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Guiné-Equatorial: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Haiti: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Honduras: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 30 dias.
  • Hong Kong: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Hungria: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Iêmen: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Índia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Indonésia: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Irã: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Iraque: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Irlanda: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Islândia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Israel: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Itália: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Jamaica: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Japão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Jordânia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Kirribati, Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Kuaite: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Laos: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Lesoto: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Letônia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Líbano: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Libéria: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Líbia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Liechtenstein: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Lutânia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Luxemburgo: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Macau: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Macedônia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Madagascar: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Malásia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Malaui: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Maldivas, Ilhas: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Mali: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Malta: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Marianas, Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Marrocos: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Marshal, Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Maurício, Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Mauritânia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • México: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Micronésia: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Moçambique: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Moldávia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Mônaco: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Mongólia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Montenegro: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Myanmar/Birmânia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Namíbia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios
  • Nauru: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios
  • Nepal: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Nicarágua: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Níger: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Nigéria: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Noruega: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Nova Zelândia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Omã: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Países Baixos/Holanda: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Palestina (Autoridade): dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Panamá: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Papua Nova Guiné: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Paquistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Paraguai: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Peru: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Polônia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Portugal: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Quênia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Quirguistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Reino Unido: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 180 dias.
  • Rep. Árabe. Saaraui Democrática: dispensa de visto.
  • Rep. Centro Africana: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Rep. Dominicana: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Rep. Do Palau: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Rep. Tcheca: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Romênia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Ruanda: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Rússia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Salomão, Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Samoa Ocidental: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 60 dias.
  • Santa Lúcia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • S. Cristovão e Nevis: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • São Martinho: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • São Tomé e Príncipe: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • São Vicente e Granadinas: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Senegal: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 30 dias.
  • Serra Leoa: visto emitido de turismo e negócios à chegada, mediante pagamento de taxa de USD 80,00.
  • Sérvia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Seychelles, Ilhas: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Síria: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Somália: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Sri Lanka: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Sudão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Sudão do Sul: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Suécia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Suíça: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Suriname: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Tadjiquistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Tailândia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Taiwan: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Tanzânia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Timor Leste: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Togo: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Tonga: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Trindad e Tobogo: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Tunísia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Turcomenistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Turquia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Tuvalu, Ilhas: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Ucrânia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Uganda: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Uruguai: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Uzbequistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Vanuatu: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Vaticano: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Venezuela: dispensa visto de turismo por até 60 dias. Exige visto de negócios.
  • Vietnã: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Zâmbia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Zimbábue: exige visto de turismo e visto de negócios.

 

Código de reserva/passagem aérea

  • Passagem eletrônica: a posse do código da reserva (localizador) ou do número eletrônico da passagem aérea é recomendada em qualquer caso. Ela permite acelerar o processo de check-in no aeroporto, e sua falta pode resultar na incapacidade de associar o nome da lista de passageiros com o nome nos documentos de identificação e, portanto, proibição da entrada no avião.
  • Passagem de papel: em raros casos, há uma necessidade de uma passagem aérea de papel, que é emitida pela companhia aérea. Essa retirada da passagem deve acontecer antes da partida, e a sua posse no aeroporto no momento do check-in é obrigatória, juntamente com documentos de identificação. A falta da passagem de papel nesses casos é uma base válida para recusar o embarque, sem direito a
    reembolso. Isso geralmente ocorre com companhias aéreas de baixo custo da Europa.

Outros documentos

Em algumas rotas e em determinadas circunstâncias, os passageiros são obrigados a terem documentos adicionais adequados, que devem ser mostrados para obter a autorização para embarcar no avião.

Grávidas

Todos os tipos de companhias aéreas permitem a viagem de mulheres grávidas. No entanto, existem diferenças de acordo com o tempo de gravidez da gestante. Toda mulher grávida deve consultar o médico antes do voo e, depois do sétimo mês de gestação, a gestante precisa solicitar atestado médico permitindo a viagem.

A passageira grávida não pode se esquecer de levar seus documentos pessoais, o atestado médico da gestante e o cartão pré-natal para o embarque. No aeroporto, será solicitada a assinatura de um termo de responsabilidade pela passageira grávida. o nono mês de gravidez, é exigido o acompanhamento de um médico. Cada companhia aérea tem suas especificidades, e é indispensável avisar da condição de gestante durante a compra de passagem aérea.

Até 27 semanas (para gravidez simples) ou 25 semanas (no caso de gêmeos): não é necessário apresentar nenhum atestado médico para viajar.

De 28 a 35 semanas (para gravidez simples) ou de 26 a 31 semanas (no caso de gêmeos), a gestante deverá preencher a Declaração de Responsabilidade, fornecida pela companhia aérea.
Do início da 36ª semana até o término da 37ª semana (para gravidez simples) ou início da 32ª semana até o término da 37ª semana (no caso de gêmeos), a gestante deverá apresentar atestado médico assinado com validade de 30 dias.
A partir de 38 semanas (para ambos os tipos de gravidez), é permitido o embarque da cliente gestante apenas em situação de extrema necessidade e acompanhada por um médico obstetra.

Viagens com animais

Em voos domésticos, você deve estar munido do Certificado Sanitário dos animais, conseguido por meio de uma consulta com seu veterinário de confiança e válido por três dias, por animal. No certificado, deve constar raça do animal, nome, origem do animal (informações do pedigree, se houver), avaliação geral, nome do dono, e carteira de vacinação em dia.

Destinos internacionais exigem que os animais também tenham um tipo de visto, o Certificado Veterinário Internacional (CVI). Para consegui-lo, é necessário marcar uma consulta com um veterinário do Ministério da Agricultura que atenda no aeroporto do voo de origem e levar o Certificado Sanitário completo. Para alguns destinos, principalmente europeus e Japão, é preciso que seu animal tenha um microchip nos padrões ISO 11784 e ISO 11785.
A permanência de animais dentro da cabine de passageiros só é permitida embaixo da poltrona. Normalmente, as empresas aéreas aceitam apenas um ou dois animais dentro da cabine. Uma vez que esse número seja atingido, os outros passageiros com animais devem despachá-los pela bagagem de porão. Cada companhia aérea tem sua particularidade, e que é essencial avisar da necessidade desse transporte de animais na hora da compra de passagem.

Sobre Cão-guia: O animal deve ser transportado com coleira gratuitamente e ao lado do assento do dono, no chão da aeronave. A necessidade desse transporte de animal deve ser comunicada com antecedência à companhia aérea e o assento é escolhido pela própria companhia. O dono deve estar munido de toda documentação do animal. O mesmo serve para qualquer outro animal-guia.

Transportes de arma de fogo

O embarque de pessoas portando armas de fogo é restrito aos servidores do governo, controle realizado no aeroporto pela Polícia Federal. No caso de despache da arma de fogo na bagagem, o procedimento para civis é a do Porte Federal de Arma de Fogo, também fiscalizado pela Polícia Federal. Para competidores de tiro esportivo, o Guia de Tráfego Especial (GTE) é fornecido pelo Exército Brasileiro apenas a esportistas registrados.

Crianças desacompanhadas
Os pais ou responsáveis da criança que viaja desacompanhada devem preencher um formulário adequado, disponível no site da ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil. O formulário contém a declaração do transporte da criança pelas companhias aéreas e a autorização para recolher a criança por uma pessoa designada no aeroporto de destino. É necessário preencher digitalmente, imprimir e assinar o documento, além de reconhecer
firma em cartório.

Uma criança que viaja sob os cuidados dos funcionários da aeronave deve ter mínimo de quatro ou cinco anos, dependendo da companhia aérea. Em alguns voos, o limite da idade para as crianças que podem viajar desacompanhadas é maior.

Os regulamentos da companhia aérea determinam se uma criança pode viajar sozinha, sem a supervisão de um adulto. As transportadoras definem a idade mínima individualmente. Por isso, antes de comprar a passagem, verifique se a criança será autorizada a viajar sozinha.

A informação de que a criança viajará desacompanhada, com a ajuda dos funcionários do voo, deve ser dada com antecedência, entrando em contato com a companhia aérea. Durante a reserva do serviço adicional de cuidado, será preciso o documento de identidade da criança (passaporte ou cédula de identidade temporária). Há uma taxa de menor desacompanhado por trecho e por criança, cobrada pela companhia aérea (taxa de acompanhamento).

Se o seu filho tem entre 16 e 18 anos incompletos, ele poderá viajar sozinho, basta apenas apresentar documento legal de identificação com foto que comprove a idade.

Se o seu filho tem entre 5 e 15 anos e 11 meses, se faz obrigatória a autorização da vara da Infância e da Juventude. Essa autorização deve ser solicitada pelo responsável legal que levará a criança no aeroporto. Nessa autorização, deverá constar todos os dados da criança, do responsável legal e também do responsável em recebê-la no aeroporto de destino, bem como todos os dados do voo (data, horário, companhia aérea e número do
voo). Essa autorização deverá ser entrega na loja da companhia aérea diretamente no aeroporto do embarque. O responsável também preencherá autorização interna da companhia aérea.

Para crianças entre 5 e 12 anos de idade é obrigatório contratar o serviço de menor desacompanhado. Isso significa que, durante o voo, o menor será supervisionado por um funcionário da companhia aérea, desde o momento do check-in até a entrega ao responsável que estará no destino. Para isso, há cobrança de taxas que variam por trecho. Crianças menores de cinco anos não poderão viajar sozinhas, somente acompanhadas por
responsável legal ou parente de primeiro grau (avós, tios e irmãos).

Observações importantes e complementares a respeito de alguns países:

Estados Unidos
Certos países, incluindo os E.U.A., exigem documentação de saída. Fique ciente de que esses requisitos podem ser diferentes dos requisitos de documentação de viagem necessária para entrada no país de destino e para trânsito em um país.
As leis dos E.U.A. exigem que todos os passageiros, independentemente de cidadania, idade ou destino, tenham um documento seguro para deixar o país via aérea (itinerário de ida ou ida e volta). Um documento seguro significa um passaporte, cartão de residência permanente nos E.U.A., documento de viagem de pessoas apátridas ou refugiadas, permissão de regresso, cartão NEXUS, cartão de Marinheiro Mercante dos
E.U.A., identificação militar ou documentos de viagem de emergência emitidos por um consulado ou uma embaixada. Cartões de passaporte dos E.U.A. não são válidos para viagens aéreas fora dos Estados Unidos

O formulário I-94 forma aplica-se a todos os cidadãos não norte-americanos que entrarem nos E.U.A., exceto os seguintes passageiros:

  • Cidadãos dos E.U.A.
  • Estrangeiros residentes
  • Cidadãos canadenses
  • Cidadãos não norte-americanos que entrarem nos Estados Unidos pelo Programa de Isenção de Visto (VWP)

O CBP (Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA) automatizou o Registro de Chegada/Partida do formulário I-94 para acelerar o processo de entrada de visitantes internacionais nos E.U.A.
O CBP digitalizará o passaporte do passageiro, o que dará origem a um registro eletrônico de chegada preenchido com os dados anteriormente exigidos no formulário I- 94 impresso. Os passageiros não precisarão executar outra ação diferente ao deixarem os E.U.A. A partida será registrada eletronicamente com as informações fornecidas pela companhia aérea ou pelo CBP.

As regulamentações dos E.U.A. exigem que os passageiros sempre cumpram com os procedimentos de alfândega e imigração no primeiro ponto de entrada nos E.U.A. Os passageiros precisam estar portando todos os documentos exigidos na entrada, mesmo que os E.U.A. não sejam seu destino final. Se os passageiros tiverem mais de uma escala nos E.U.A., não será necessário passar pela alfândega novamente.

Austrália
Se estiver viajando para a Austrália, você deve ter um passaporte válido e também pode precisar de um visto ou um ETA (Electronic Travel Authority). O Electronic Travel Authority (ETA), fornece autorização para viajar para e entrar na Austrália e está vinculada eletronicamente ao seu passaporte. Ele serve para estadias de curta duração, para atividades de turismo ou negócios, como assistir a uma conferência, fazer consultas de negócios ou negociações contratuais. Ao chegar na Austrália, muitos passageiros poderão usar o quiosque de controle de passaporte automático, SmartGate, que oferece opções de processo de autoatendimento para o controle de passaportes. Eles usam a tecnologia de reconhecimento facial e seu ePassport para verificar sua identidade.

  • Se você planeja transportar dinheiro ao entrar ou sair da Austrália, deve cumprir com os seguintes regulamentos:
  • Se for solicitado por um agente da alfândega ou da polícia, você deverá informar cheques, cheques de viagem, ordens de pagamento e todos os outros instrumentos negociáveis de qualquer quantia.
  • Você sempre deve informar quantias em dinheiro iguais ou superiores a AUD 10.000 (ou o equivalente em moeda estrangeira) usando um formulário disponível na alfândega. Observe que não há limite de valor em dinheiro a ser transportado para dentro e para fora da Austrália.

Canadá
A partir de 15 de março de 2016, os passageiros que não necessitam de visto para o Canadá devem solicitar uma autorização eletrônica de viagem (eTA) para voar para o país. Os requisitos de entrada permanecerão inalterados para todos os outros métodos de viagem. Observe que os cidadãos norte-americanos não necessitam de eTA ou visto, mas residentes permanentes nos E.U.A. precisam solicitar um eTA antes de voar para o
Canadá.

Desde 18 de junho de 2007, de acordo com o regulamento, as empresas aéreas são obrigadas a implementar o Programa de Proteção de Transporte para Passageiros do Canadá. Todos os passageiros maiores de 12 anos devem fornecer identificação para que seja comparada a uma lista de passageiros específica. Devido a esse regulamento de transporte do Canadá, todos os passageiros em voos que saírem ou chegarem ao Canadá devem mostrar uma identificação no portão de embarque.

Honduras
A Autoridade de Imigração Hondurenha implementou um processo de registro biométrico dos passageiros, que inclui um formulário de alfândega e imigração disponível on-line e que deve ser preenchido antes da chegada a Honduras. Os passageiros não precisam mais preencher os formulários de imigração impressos, podendo preencher o formulário pré-cadastramento no site do Instituto Nacional de Imigração de Honduras.

Nova Zelândia
Se estiver viajando para a Nova Zelândia e for cidadão dos E.U.A., Canadá ou outros países com isenção de visto, você precisará de um NZeTA (New Zealand Electronic Travel Authority) para entrar no país a partir de 1.º de outubro de 2019. A aprovação do NZeTA pode levar até 72 horas para ser concedida, portanto, recomendamos que você o solicite ao reservar sua viagem ou assim que possível.

Reino Unido
A Polícia de Fronteira do Reino Unido oferece o programa de registro de viajantes para acelerar o processo de entrada no Reino Unido para viajantes internacionais pré-aprovados de baixo risco. Os participantes do programa se beneficiarão de um trânsito mais rápido pelo aeroporto, incluindo a possibilidade de usar os portões de passaporte eletrônico caso tenham o passaporte biométrico ou usar as filas designadas aos cidadãos da UE/EEA, reduzindo significantemente o tempo de espera ao entrar no Reino Unido.

Referências:

  • https://www.united.com/ual/pt/pt/fly/travel/documentation-requirements/international.html
  • https://www.edestinos.com.br/dicas-de-viagem/passagens-aereas/documentacao-e-visto/documentos-necessarios
  • http://www.portalconsular.itamaraty.gov.br/alertas
  • http://ereminas.itamaraty.gov.br/pt-br/informacoes_importantes_-_coronavirus_(covid-19).xml
  • https://www.remessaonline.com.br/blog/o-que-fazer-com-seu-projeto-no-exterior-em-tempos-de-pandemia/
  • https://www.eta.homeaffairs.gov.au/ETAS3/etas
  • http://www.portalconsular.itamaraty.gov.br/tabela-de-vistos-para-cidadaos-brasileiros

*Nota:

  • As informações aqui disponíveis são de responsabilidade dos próprios autores.
  • A Voetur não é autora dos documentos aqui publicados. Garantimos, porém, que todos os documentos são originais e obtidos diretamente junto às empresas ou entidades produtoras dos conteúdos.
  • Para informações atualizadas sobre os documentos aqui publicados, recomendamos contatar o produtor do conteúdo.